top of page

A grande escola da maternidade

O nascimento nunca é de uma vida só. Ao mesmo tempo em que nasce um filho, morre um pouquinho e (re)nasce também uma nova mulher. A experiência de tornar-se mãe é uma das mais ricas e transformadoras que existem e isso é só o começo.


Uma mulher que se torna mãe adquire conhecimentos, competências e habilidades que nenhuma escola é capaz de entregar. É que poucos ensinam tão bem como as crianças. Ensinam os valores mais celebrados pelo mercado. Dão aulas sobre aceitação, resiliência, criatividade, flexibilidade, desenvoltura e sobre mais um monte de coisas que não se esgotam nunca. Maternidade é uma escola diária. Maternidade é uma escola foda. Mas, apesar de toda a riqueza que é tornar-se mãe, metade das mulheres são desprezadas quando isso acontece.


Segundo dados da FGV, 48% das mulheres são demitidas após retornarem de licença maternidade. 48% das mulheres são descartadas por cometerem o erro de se tornarem mães. 48% das mulheres são excluídas, porque ainda se credita exclusivamente a elas o trabalho de cuidar.


Cuidar.


Qual o papel do cuidado em nossa sociedade?


As empresas exigem profissionais cada vez mais qualificados. Fala-se incansavelmente em soft skills, domínio das emoções, desenvoltura, comunicação eficaz, autoconfiança... E de onde vem toda essa qualificação?


Vem do cuidar.


É na primeira infância que se forma a base de um futuro brilhante. Sem cuidado não há adulto de sucesso. E eu sonho todos os dias com o momento em que o cuidar passe a ser visto como uma função nobre e valorizada.


Se a nossa sociedade entendesse o verdadeiro papel do cuidado, se entendesse que o futuro da humanidade está nas mãos de cada criança que nasce (e consequentemente de cada um que cuida dela), maternidade valeria mais do que mestrado.


E vejam que curioso. É justamente isso o que acontece em relação à paternidade.


Uma pesquisa do Boston College Center for Work and Family detectou que, enquanto 48% das mulheres são demitidas por se tornarem mães, a maioria dos homens acredita que a paternidade tem relação direta com a sua ascensão na carreira.

Um homem que se torna pai torna-se também, perante a sociedade e perante o mercado, mais maduro, responsável e digno de um salário melhor.

Sim, enquanto mulheres são demitidas por tornarem-se mães, homens são promovidos por tornarem-se pais.

Dois pesos, duas medidas.


Valores invertidos.

Por isso digo e repito: enquanto o homem não entender a importância do cuidar, enquanto o homem não ocupar esse espaço, não alcançaremos a igualdade que tanto almejamos.


Porque se homem fosse mãe, ahhhh se fosse...


Se o homem fosse mãe, maternidade valeria mais do que mestrado.



Σχόλια


      Flávia Vilhena
foto 2.jpg

Sou a Flávia. Mãe do Caetano e do Augusto. Viajante, ex-blogueira (de viagem), advogada e agora escritora...

Textos em Destaque
Textos Recentes
Procure por tema

E aí, curtiu? Me conta o que você achou.

  • Instagram
  • Facebook
  • LinkedIn ícone social
  • Twitter
  • Spotify ícone social
Siga
  • Instagram
  • Facebook
  • LinkedIn ícone social
  • Twitter
  • Spotify ícone social
bottom of page